Nomeado pelo governo do estado pede impugnação da candidatura de Cássio Cunha Lima

A decisão do TSE sob relatoria da ministra Luciana Lóssio, que respondeu a uma consulta em caso similar ao do senador Cássio Cunha Lima e considerou o dia das eleições para a contagem do prazo para as questões de aplicação de punição eleitoral parece não ter convencido a todos os governistas.

Tanto é verdade que um cidadão chamado Demócrito Medeiros de Oliveira entrou, na noite dessa quarta-feira (09), com um pedido de impugnação da candidatura de Cássio Cunha Lima (PSDB) ao governo.

Para lembrar o caso, pairava uma dúvida junto à classe política a respeito da elegibilidade de Cássio Cunha Lima e o mundo jurídico em geral pois apesar de uma grande parte defender que Cássio já estaria quite com a justiça eleitoral por ter cumprido o prazo de três anos de inelegibilidade (2009 – 2009), setores diziam que Cássio teria que cumprir oito anos.

Ocorre que dentro da pior hipótese para o tucano, que seria cumprir os oito anos, com a decisão unânime do TSE que determinou que o prazo é contado pelo dia da eleição e não o ano cheio, este debate praticamente terminou. Portanto, pela jurisprudência e segundo entendimento do TSE, no dia da eleição o senador Cássio estará plenamente elegível.

No entanto, invocando o direito de cidadão o senhor Demócrito Medeiros de Lucena, conhecido por Moca Medeiros não concorda com o TSE e protocolou ação no TRE-PB. Vale lembrar que ele foi nomeado pelo governador no dia 12 de agosto de 2013 para ocupar o cargo de diretor do Centro Social Urbano Isabel de Brito Pereira Rangel. Não se sabe se ele ainda está neste cargo. Logo saberemos se ele continua neste, noutro ou nenhum.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.