Bolsonaro afirma que governadores e prefeitos estão “quebrando o país” e avisa: “vai faltar dinheiro para pagar servidor público.


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (14), na saída do Palácio da Alvorada, que as medidas restritivas impostas por diversos estados para controlar o avanço do novo coronavírus pioram a crise no país. Ele afirmou que “vai faltar dinheiro para pagar servidor público”.

“Ainda tem servidor achando que há possibilidade de ter aumento nesse ano ou ano que vem. Não tem cabimento. O Brasil está quebrando”, declarou o presidente em entrevista coletiva, acrescentando que a economia não se recuperará depois.
“O Brasil está se tornando um país de pobres”, disse ele. “Para onde está indo o Brasil? Vai chegar um ponto que o caos vai se fazer presente aqui.”

Ele afirmou que a determinação de lockdown (bloqueio total das atividades) não é ideal para lidar com a crise causada pela pandemia. “Esse é o caminho do fracasso, quebrar o Brasil.” Bolsonaro disse ainda que certos governadores e prefeitos que impuseram essas medidas deveriam pedir desculpas.

“Os informais, que são 38 milhões, já perderam quase tudo. Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), os informais da América Latina perderam 80% do poder aquisitivo”, declarou.
Ele comparou a situação do Brasil com a de países da África subsaariana. “Temos que ter coragem de enfrentar o vírus. Tá morrendo gente? Tá. Lamento? Lamento. Mas vai morrer muito mais se a economia continuar sendo destroçada por essas medidas.”
Bolsonaro afirmou que nas periferias de São Paulo e Rio de Janeiro as atividades seguem em funcionamento. “Tem que reabrir. Nós vamos morrer de fome. A fome mata. É um apelo que faço aos governadores: revejam essa política.”
Pagamento prorrogado
Dirigindo-se aos jornalistas presentes, ele comentou que ligou para Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, nesta manhã e este informou que aumentará para quatro meses o tempo que os clientes poderão atrasar o pagamento de imóveis.

“2,3 milhões de clientes da Caixa Econômica que pagam casa própria pediram para pausar o crédito. Como regra, a Caixa permitia o atraso até dois meses. Resolveu prorrogar por mais um mês, para três meses”, disse Bolsonaro. “Conversei com ele [Pedro Guimarães] agora e ele disse que vai aumentar para quatro meses.”
Segundo o presidente, não adianta apenas prorrogar, pois quem perdeu o emprego e teve redução de salário não consegue pagar a prestação. “O que está sobrando de dinheiro tá sendo para comida”, disse ele.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.